Quando 80% da humanidade não fala inglês

Embora o ecossistema de software livre seja muito falado em inglês, o suporte a vários idiomas em um software permite multiplicar por 5 ou 10 o número de usuários em potencial. Isso representa complexidade e um custo alto, porém único, que, quando feito, sujeito à automação, permite um número ilimitado de idiomas.

Um ecossistema de língua inglesa

O mundo do software livre e de código aberto é muito diversificado, variando de camadas de interação de hardware até o software que usamos diariamente em nossos computadores e telefones. Todas essas ferramentas existem apenas por e para seus usuários. Alguns se interessarão e contribuirão com a ferramenta, outros apenas vão querer alcançar seu objetivo o mais rápido possível.

No mundo do software livre, o inglês é o idioma de trabalho por padrão e a escrita é o canal mais usado. Esse funcionamento é um padrão de fato e aceito sem grande dificuldade pelo que é chamado de comunidade de software livre, um termo genérico que inclui todas as pessoas que contribuem para um ou mais softwares livres.

Por conveniência, os desenvolvedores de software geralmente usam o inglês em vez da língua materna. Consequentemente, eles raramente entendem as dificuldades encontradas durante a tradução (frases cortadas em vários fragmentos, variáveis não nomeadas, jargão técnico intraduzível, etc.).

Pior ainda, essas pessoas podem ficar desconfortáveis com a falta de controle sobre o que realmente é exibido ao usuário.

Uma população mundial escassamente de língua inglesa

Há uma boa chance de que os usuários tenham uma língua materna que não seja o inglês. E incentivar os desenvolvedores a usar sua língua nativa não resolve o problema, porque há toda a chance de que essa língua nativa não seja a dos desenvolvedores encarregados da ferramenta.

Independentemente do idioma, os usuários preferem usar o próprio idioma para atingir seu objetivo, pois isso aumenta o conforto do uso e a eficiência. O uso do seu idioma também pode ser um pré-requisito para o uso do software, se você não possuir um domínio do inglês.

Em detalhes, há estimativas de população por idioma e território fornecidas pelo consórcio Unicode e, mais especificamente, pelo CLDR. Essas estimativas indicam que 21% dos habitantes do planeta falariam inglês. Mas aqui, falar abrange situações muito diversas; se considerarmos pessoas com nível nativo ou atual, reduzimos para 9%.

O desafio de procurar aumentar o número de usuários é aumentar o número potencial de contribuidores, que darão os primeiros passos através de uma correção de tradução ou de uma tradução completa, para que possam continuar em mais ou menos atividades técnicas (comunicação, assistência, documentação, testes, codificação…). É possível não conhecer o idioma de origem do software, mas usar outro idioma como um pivô para realizar uma tradução.

Para aumentar o número de usuários em potencial, é necessário adicionar suporte linguístico. Isso se chama internacionalização.

A complexidade da internacionalização

O suporte a vários idiomas requer:

  • usar ferramentas que ofereçam a funcionalidade necessária (marcar o conteúdo para ser traduzido, traduzir e distribuir)
  • alterar seus processos de design de software para integrar o trabalho de tradução (quando o código for concluído, você deverá informar as pessoas que executam as traduções e integrar seu trabalho)
  • atender às necessidades relacionadas à atividade de tradução. Isso requer interesse em codificações, formatos de tradução, plurais, ferramentas adaptadas etc.

E além da interface do usuário, também devemos incluir a interface da linha de comando, sites de apresentação, boletins informativos, documentação on-line, páginas de manual, notas de lançamento…

A internacionalização custa tempo e requer habilidades técnicas avançadas. Infelizmente, algumas ferramentas usadas pelo software não oferecem ajuda, então o especialista que precisará se defender ou trocar de ferramenta.

A boa notícia é que esse trabalho só precisa ser feito uma vez para um número teoricamente ilimitado de idiomas. É uma boa notícia, pois agora existem entre 7.000 e 9.000 idiomas, dos quais quase 2.500 correm o risco de desaparecer. Se fosse necessário realizar um trabalho dedicado por idioma, raros seriam os desenvolvedores que concordariam em gastar energia para um idioma com um número muito baixo de falantes. E em nosso tempo, não existir em ferramentas digitais é perigoso.

O papel de Languages-in-floss

Nesse contexto, a iniciativa Languages-in-floss visa compartilhar com você nossas experiências no campo para o gerenciamento de francês, árabe, kabyle e occitânico.

Seja você um defensor de um idioma, ou um desenvolvedor, descobrirá que o multilinguismo é possível em qualquer atividade relacionada a software livre e de código aberto, tentaremos facilitar sua vida neste mundo complexo.

Last build: 2020-08-18 01:00:35